Quadrinistas

Literatura em quadrinhos japoneses

Nos últimos dias estive envolvida em grandes empreitadas, programando as férias, projetos.  Mais um pernoite doido, tentando me manter acordada. Lendo reclamações  e anuncios sobre novos títulos e lembrando de uma matéria de li no jornal alemão sobre os quadrinhos nas universidades de design,  as dificuldades da profissão. De fato ser quadrinista é difícil em todo lugar principalmente  no Brasil. Pois bem, de tudo o que eu li, certas coisas pairavam sobre a minha cabeça. Uma delas é a declaração de um quadrinista alemão sobre os quadrinhos como parte de uma linguagem universal. Não é difícil discordar do colega alemão com todas as convenções aplicadas aos quadrinhos de uma maneira geral e todo esse aproveitamento da linguagem cinematográfica atingida pelos quadrinhos japoneses.  Outra cois...

Porque somos mais lentos? – por Sean Gordon Murphy

Tradução livre do texto do jornal do Deviantart do Artista Sean Gordon Murphy Cerca de um mês atrás, eu finalmente consegui encontrar um herói arte da mina, Klaus Janson, um profissional conhecido que tem sido na indústria há mais de 30 anos. Um amigo em comum nos apresentou, e nos demos bem imediatamente. O grupo de nós atravessou o pub Vila bater depois de pub, e logo eu estava bêbado o suficiente para fazer algo que Klaus tinha me incomodando. Perguntei-lhe se os artistas modernos quadrinhos são, em média, mais lentos do que costumavam ser. Ele disse que sim, e eu concordei. Desde a Idade de Ouro até os anos 80, esperava-se que a produção de páginas desenhadas, a lápis, seria, geralmente de pelo menos duas páginas por dia, enquanto o trabalho de arte final ficava em torno de 3 a 4 págin...

A primeira quadrinista da história: Rose O’Neill

A figura feminina nas artes em geral possui um papel de coadjuvante até o início do século passado. Se antes as mulheres eram apenas temas centrais de estudos, obras e pinturas, nos foi permitido no último século se emponderar. Ainda há muito há ser feito. Pesquisando sobre a figura de Rose O’Neill e a falta de informação sobre ela, quero apontar o quanto ainda pode ser feito pela história e carreira das mulheres nos quadrinhos. Até então, a maioria de quadrinistas que eu conhecia desde que comecei a desenhar, eram mulheres japonesas contemporâneas. A quadrinista com a publicações em quadrinhos mais antiga que tinha em mente era Machiko Hasegawa, criadora de Sazae San. O  lado bom é que Sazae San possui a série de desenhos animados mais longa da história, talvez por isso tamanha popu...

Dia dos quadrinhos nacionais

Desde que o Mangamono foi criado, muita gente já enviou e-mails perguntando se a gente gostaria de comercializar Mangás e tutoriais online. Deixamos bem claro que temos essa intenção e que em breve abriremos as portas para começar a comercializar ítens virtuais. Nossa intenção é fazer uma seleção de histórias para publicação do nosso site, e de acordo com a resposta do público, orientar a equipe de produção apresentarmos um trabalho de qualidade. Confesso que muitas vezes fico viajando em histórias de filmes, séries ou livros que gostaria de ver em Mangá. Porque os trabalhos que recebemos as histórias se passam num mundo fantástico ou em um ambiente japonês. Hoje é dia dos quadrinhos nacionais caramba! Então olhem para o seu umbigo, temos uma cultura rica, uma história muito mal explorada ...

Quando quadrinhos podem ser tristes

Quadrinhos já retrataram o drama de prostitutas, cidades devastadas pelo pela bomba atômica, meninas que ficam grávidas de rapazes que não amam. Mais uma vez os quadrinhos dão voz a um drama autobiográfico. Imagine descobrir com pouco mais de 4 meses de gravidez um câncer no colo do útero e ter coragem de retratar momentos tão particulares e delicados. A ilustradora Matilda Tristam utiliza imagens simples, mas um drama profundo para retratar a sua história. A reportagem foi publicada pelo jornal britânico The Guardian no dia 18 de maio de 2013. Nós do Mangamono preparamos uma tradução livre, isso para provar o quanto histórias pessoais podem ser tão fantásticas quanto obras fictícias. Inicia aqui a tradução livre do grupo Mangamono. *********** Matilda Tristram escreveu um belo relato sobr...

Dicas de quadrinhos por Etherington Brothers

Imagine receber dicas de profissionais que realizam palestras e conferências no Reino Unido sobre a criação de quadrinhos. Agora imagine se esses caras estivessem trabalhado em filmes como Star Wars, Wallace and Gromit, Transformers e muitos outros títulos. Os Etherington Brothers destacam-se pela participação destas e muitas obras audiovisuais além de serem os de histórias em quadrinhos como Monkey Nuts, Long Gone Don premiados pela comunidade britânica. A narrativa e construção de suas páginas tem um apelo visual bacana, por isso, preparamos uma tradução livre das dicas apresentadas ao jornal britânico The Guardian no dia 03 de maio de 2013. 1.Escrever… ou desenhar… ou ambos? Gosto de perguntas boas óbvias e agradáveis, e, para aqueles estão considerando criar uma história em...

Quadrinista do Mês de Novembro

Esta é a primeira entrevista com quadrinistas do mês, a idéia é trazer a cada mês um quadrinista diferente, com trabalhos que possam ser referência para quem está começando ou apresentar quadrinistas independentes ao público. Decidimos dedicar um espaço aos guerreiros gráficos que movidos pela paixão a nona arte se a um caminho árduo para manter-se produzindo. Convidamos vocês a dar uma oportunidade a esses artistas todo mês aqui no nosso blog. •••••••••••••••Quadrinista do mês Mangamono ••••••••••••••• A gente dá o pontapé inicial com o Vinícius , da cidade do Rio de Janeiro, professor de Mangá e diretor do curso de Mangá Tensai, criador do Mangá DIGUDE. Um trabalho bacana com traços e qualidade profissional com um elemento brasileiríssimo, que até eu menina costumava brincar com meus 7 a...

Lost Password

Register

Pular para a barra de ferramentas